‘Desistência’ abre condições para falência do projeto europeu

Ainda ninguém conseguiu entender o que terá levado Angela Merkel a anunciar que desistiria da presidência do seu partido, sabendo que isso iria lançar uma espécie de caos na União Europeia. Mas as consequências da decisão para uma Europa a braços com uma crise de identidade profunda. Não era novidade para ninguém que a chanceler Angela Merkel não iria voltar a candidatar-se a um quarto mandato à frente do governo alemão os fracos resultados conseguidos pelo seu partido, a CDU, nas eleições de setembro passado e principalmente as enormes dificuldades na formação de um governo estável (para espanto da Comissão Europeia) punham a descoberto que a era Merkel estava a aproximar-se do fim. O que ninguém esperava, como salientou o comentador e analista político Francisco Seixas da Costa ao Jornal Económico, é que Angela Merkel fosse optar por sinalizar essa saída tanto tempo antes de ela supostamente acontecer (em setembro de 2021), sabendo como não pode deixar de saber que a sua decisão implica uma série de consequências, nenhuma delas parecendo ser especialmente benéfica tanto para a Alemanha como para a União Europeia.
Ler 110 vezes
Avalie este item
(0 votos)

About Author