Total reforça posição no mercado de gás natural antes de apostar em Moçambique

Total reforça posição no mercado de gás natural antes de apostar em Moçambique

A petrolífera francesa Total, que este ano deverá entrar nos megaprojetos de gás natural liquefeito (GNL) de Moçambique, anunciou a aquisição da produção da multinacional Toshiba nos EUA. O contrato prevê que a Total acrescente 2,2 milhões de toneladas por ano (mtpa) de GNL à sua produção mundial, num negócio em que deverá ainda receber 800 milhões de dólares da Toshiba. "A aquisição do ‘portfólio’ da Toshiba está alinhada com a estratégia da Total de se tornar um grande interveniente de GNL com um portfólio global", disse Philippe Sauquet, dirigente da empresa para o setor. A Anadarko, empresa que lidera o consórcio de exploração de gás na Área 1 do Norte de Moçambique (com uma participação de 26,55%), deverá ser este ano adquirida pela Occidental que, por sua vez, prevê vender a participação moçambicana à Total. As três empresas já confirmaram os acordos e anunciaram estar a trabalhar para a concretização do negócio. A produção na Área 1 deverá arrancar em 2024 com 12,88 mtpa de GNL. A Total apresenta-se como "o segundo maior interveniente global privado do setor do gás natural liquefeito" com 21,8 milhões de toneladas geridas em 2018 e participações em fábricas de liquefação no Qatar, Nigéria, Rússia, Noruega, Omã, Egito, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Austrália, Angola e Iémen.
Ler 42 vezes
Avalie este item
(0 votos)

About Author