índice de produção das empresas do sector da indústria extractiva em Moçambique com maior desaceleração dos últimos cinco trimestres

índice de produção das empresas do sector da indústria extractiva em Moçambique com maior desaceleração dos últimos cinco trimestres Featured

O índice de produção das empresas do sector da indústria extractiva em Moçambique registou a maior desaceleração dos últimos cinco trimestres, ao abrandar para 2% entre Janeiro e Março de 2019. Os primeiros três meses deste ano foram negativos para a indústria extrativa. O índice de produção deste ramo de actividade económica desacelerou 2%, após uma aceleração de 15,2% no quarto trimestre de 2018. No terceiro trimestre do ano passado, o Produto Interno Bruto deste sector fora de 9,6%, cerca de 9,7% no segundo e 7,7% no primeiro trimestre do mesmo ano, refere o Instituto Nacional de Estatística (INE) nas suas “Contas Nacionais de Moçambique”, consultados pelo “O País”. Este comportamento do sector extractivo está em linha com a “velocidade lenta” da economia moçambicana no início do ano. Dados do INE apontam para uma desaceleração do PIB em 0,5 pontos percentuais, para 2,5% no primeiro trimestre deste ano, contra 3% do fecho de 2018. O nível de crescimento do PIB registado no primeiro trimestre deste ano, representa uma desaceleração da economia em 1.2 pontos percentuais que no trimestre homólogo. O desempenho menos bem conseguido no trimestre em análise é atribuído ao sector terciário que cresceu apenas 2.7%, com maior destaque para os ramos de aluguer de imóveis e serviços prestados as empresas com crescimento na ordem de 5%, seguido pelo ramo de transportes, armazenagem, actividades auxiliares dos transportes, informação e comunicações com 3.3%. Segue-se o sector primário com um crescimento de 2.5%, induzido pelo ramo da agricultura, pecuária, caça, silvicultura, exploração florestal, actividades relacionadas com 2.6%. Já o sector secundário registou um crescimento moderado de 0.5%, impulsionado pelo ramo da indústria transformadora com uma variação positiva de 2.9% e negativamente pelo ramo de electricidade, gás e distribuição de água com menos 7.1%. No período em análise, o ramo da agricultura, pecuária, caça, silvicultura, exploração florestal, actividades relacionadas e pesca, teve maior participação na economia com um peso no PIB de 23.1%, seguido do ramo comércio e serviços de reparação com 10.6%. Ocupa o terceiro lugar os ramos dos transportes, armazenagem, actividades auxiliares dos transportes, informação e comunicações com uma contribuição conjunta de 10.4%. O ramo da indústria de extracção mineira teve um peso de 6.2% no Produto Interno Bruto.
Ler 9 vezes
Avalie este item
(0 votos)

About Author